domingo, 24 de novembro de 2013

AS MINHAS CONTERRÂNEAS

ÀS MINHAS CONTERRÂNEAS.
MULHERES DE MONJOLOS
Com apreço.

A elas, mulheres de risos e cor de mel,
Mestiças de lua e sol, de arrebóis doirados!
Talentosas, guerreiras, mães de muitos, de
Bamboleios palpitantes, corpos bronzeados,

Solteiras, viúvas! mulheres graciosas e belas,
mulheres de canções, de risos e encantos,
mesmo entre urtigas na panha da malagueta!
vivem planos lindos, entre sonhos e prantos.

A todas não falta o excesso da peleja, ao sol
que lhes bronzeia a pele e lhes fere o olhar!
exímias dançadeiras, prontas para bailar,
afeitas a desafios, prontas para o altar.

Lavadeiras,”apanhadeiras”, professoras; mães!
que se entregam à graça seus improvisos,
que se despertam com vestes de poesias,
se reinventam sem perder os seus sorrisos!

Tão graciosas, aos beijos de águas claras,
ao perfume do aurorecer do seu dia a dia,
dou-lhes como prova de meu amor distante,
neste trago de luz e encanto...esta poesia!

de ege valadare - sp

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: Se você não é nosso(a) seguidor(a) e deseja deixar uma mensagem, escolha abaixo "Comentar como ANONIMO" e clique em PUBLICAR.

Escreva seu comentário abaixo: