domingo, 13 de outubro de 2013

O DESPERTAR DE UMA POETISA

  • O Legado

    Início do Século vinte,
    Onde progresso aflorava...
    Em meio às terras baldias;...
    Alheia à tantas “Marias”,
    “Maria- fumaça” chegava.


    Quebrando o doce silêncio,
    Com seu apito estridente,
    Cortando sertões bravios,
    Em matas, serras e rios,
    Com seu ranger diferente.


    Transportando a riqueza
    Desta gente sertaneja,
    Que exportava com alegria:
    O labor do dia a dia,
    Frutos de sua peleja.

    Nas tardes e nas manhãs,
    Esperando na Estação,
    O povo ouvia o apito,
    Que transformava num rito:
    “Café com pão... manteiga, não...”.





    “Café com pão”... Café com pão...
    Café com pão... “Manteiga, não...”
    Por meses, anos... Afora...
    Sem pensar em ir embora,
    Trazia vida ao sertão.

    Conduzindo os sertanejos...
    Gado, milho, algodão...
    Sobre os trilhos serpeantes,
    Com sua força possante,
    Trouxe progresso ao sertão.


    Aquilo virou rotina!
    Então, o tempo passou.
    Surgiram outros transportes.
    Não pra o bem de nossa sorte,
    Aquele apito parou.

    Parou de ir e de vir.
    O sertão se estagnou.
    Muitas famílias partiram...
    Muitas casas se ruíram...
    E a saudade aqui ficou!

    Os trilhos foram arrancados.
    Fechada cada Estação.
    Pontilhões viraram pontes...
    Perdia no horizonte
    A esperança de então.

    Depois de anos corridos...
    No lugar da ferrovia,
    Aproveitando esse leito,
    Em lugares bem estreitos,
    Hoje se vê rodovia.

    Bem no seio de Monjolos,
    Com um ar monumental,
    A Estação mui faceira
    Será pela vida inteira
    “Patrimônio Cultural”.

    Ao preservar este “Bem”,
    Cravado em nossa memória,
    Serei um participante,
    Construtor, edificante...
    Defensor de nossa história.

    Aos Filhos de nossa terra,
    Ou vindos de outros prados:
    Façamos jus ao presente,
    Herdado de tanta gente,
    Que a nós deixou “O legado”.

    Composto por: Dalva Figueredo de Oliveira
    Secretária Municipal de Educação de Monjolos

    POESIA devidamente registrada.
     
    Dalva Figueredo de Oliveira, uma das pessoas que mais contribuíram para o melhoramento da cultura e educação de jovens monjolenses. Nossas gratidões.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: Se você não é nosso(a) seguidor(a) e deseja deixar uma mensagem, escolha abaixo "Comentar como ANONIMO" e clique em PUBLICAR.

Escreva seu comentário abaixo: