segunda-feira, 23 de setembro de 2013

CHEIRO DE DONZELA

 CHEIRO DE DONZELA

Meus  dias coloridos os tenho sempre,

Banhando-me  na fonte em que te banhas,

 As cascatas em que jorram teus prazeres,

Água corrente de teu cheiro nas entranhas.


Águas que bebem o claro azul dos olhos teus,

E os remansos de teus suspiros apaixonados,

A branca renda bordada de espumas leves,

Se ensandecem  pelos teus seios bronzeados.


Mansas marolas que ondeiam teus cabelos

Danças frenéticas dos rebojos e da procela,

A branca areia que desenha teu sorriso doce,

Descanso o olhar em teu corpo de donzela.



Do livro poeira e flor vol II

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: Se você não é nosso(a) seguidor(a) e deseja deixar uma mensagem, escolha abaixo "Comentar como ANONIMO" e clique em PUBLICAR.

Escreva seu comentário abaixo: