sábado, 20 de julho de 2013

REENCONTRANDO-ME

REENCONTRANDO-ME

Dos anseios de meus sentidos
Em que carrego minha inocência,
Perco a força de minha crença
Por tantos sonhos esmaecidos.

Minhas primaveras se perderam
Por entre tantas estações vividas...
Minhas raras canções contidas
No meu escuro se esconderam.

Por incertos caminhos que anseio
Reconciliar-me com minha sorte...
Vivendo a brincar com a morte
Quando na vida mais nem creio.

Dobro-me aos fardos que trago
Arrastando-os pela vida afora...
As luzes só se acendem a desoras
Em meu destino agora amargo...

Do livro poeira e flor vol II

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: Se você não é nosso(a) seguidor(a) e deseja deixar uma mensagem, escolha abaixo "Comentar como ANONIMO" e clique em PUBLICAR.

Escreva seu comentário abaixo: