domingo, 14 de abril de 2013

AO CHEGAR DAS RUGAS


Minhas primeiras foram rugas de  ilusões
Alguns traços do tempo em minha face,
Depois outras chegaram mais profundas,
Cinzeladas pelo tempo, sem disfarce...

Pálpebras debruçadas na varanda do olhar,
Ares que silenciam o timbre da emoção.
A derramar  em  murmúrios de segredos ,
Arpejando as melífluas  cordas dos coração...

Beijo a face do tempo... tardes grisalhas,
Minhas pegadas de buscas desistidas...
Tatuagens de fuligens , eras ancestrais,
Uma historia de amor mal resolvida.

Por certo hei de calar minhas canções,
Em mim não mais rugem tempestades,
Arqueio trêmulo meu corpo envelhecido...
Em fragmentos de sonhos e vaidades



 do livro poeira e flor vol II

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: Se você não é nosso(a) seguidor(a) e deseja deixar uma mensagem, escolha abaixo "Comentar como ANONIMO" e clique em PUBLICAR.

Escreva seu comentário abaixo: