quarta-feira, 20 de março de 2013

UM CAUSO DE CAÇADOR


    UM CAUSO DE CAÇADOR.
  Miudinho, abugrado, Clóvis, um exímio caçador não trabalhava. Tinha três filhos, e quando não caçava, passava o tempo pescando no Rio Corumbá. Ele dependia da pesca e da caça, assim como a família. Mas o que ele mais gostava era de caçar guariba, uma espécie de macaco, muito comum por lá. Do coitado do bichinho até a cabeça aquela família degustava.
  Clóvis tinha como mais velha uma filha muito bonita e graciosa cujo nome não consigo me lembrar. Na flor da idade e pronta para o altar. Eu, ainda jovem já estava de olho nela.
    Certa vez, chegando de surpresa em sua pequena cabana, encontrei aquela moça degustando, feliz, uma cabeça de guariba. Levei um susto. Esquisito aquela cena; ela com as duas mãos, segurando aquela coisa num prato com farinha, posto sobre o colo! 
    Numa certa manhã de domingo, Clóvis, com o seu nobre desejo de degustar uma caça, preparou solenemente sua espingarda “porveira “( aquela de carregar pela boca).
   Chamou pelo nome seu cãozinho Pitoco, de quem se orgulhava muito e juntos adentraram aquela mata repleta de bichos. Seria uma caçada e tanto, pois logo na primeira avançada, Pitoco, também faminto, acoou uma penca de Guaribas dependurada num ingazeiro a devorar seus preciosos frutos. era uma família de guaribas e aquele era o momento, imaginou ele, apontando para o bicho maior. Já ia puxar o gatilho quando o bicho posou suplicante para ele, apontando com as mãos as tetas cheias de leite. Era uma fêmea tentando lhe mostrar que se tratava de uma mamãe grávida.
    Recolhendo sua arma, Clóvis o caçador, voltou para casa e nunca mais caçou.

do livro de contos e poesias Poeira e flor vol II.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: Se você não é nosso(a) seguidor(a) e deseja deixar uma mensagem, escolha abaixo "Comentar como ANONIMO" e clique em PUBLICAR.

Escreva seu comentário abaixo: