terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

ALÉM DE MEU OLHAR...


Além do meu olhar de infância; reentrâncias, sendas que se emaranham em coroas de matizes desidratadas.
Becos em rotas de futilidades...hesitações e medos... esquivas  nuvens caminheiras, de sombras estendidas!
Eloquência na expressão dos silêncios...esquadrinhando fugas em fuligens de disfarce, pervagando por molduras de incertezas. O sabor sorvido em lábios de vulcões,  braços cavilhados, garimpando preces com dedos rechupados.
Desfolho de sonhos interrompidos...na desesperança, o acaso!  A batalha tressuada dos sonhadores sobre cinzas de mortalhas... em epopeias transcendentais, em prosas contadas nas faces dos granitos por bípedes selvagens nas girândolas das estações. Estradas debilitadas com a poeira dos senões ...dos porquês dos caminhos sem chegadas e pés vestidos com moinhas de piçarras. A  dança do ventre na prenhez da montanha intumescida; aborto de chama e luzes...vulcão regurgitando suas dores, e o parto sobre o solo fecundo...o "homem"!...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: Se você não é nosso(a) seguidor(a) e deseja deixar uma mensagem, escolha abaixo "Comentar como ANONIMO" e clique em PUBLICAR.

Escreva seu comentário abaixo: